quarta-feira, 18 de março de 2009

Qué verguenza...

Lá fui eu toda contentita meter gasolina no meu coche. Saí do carro, com a segurança que qualquer mulher tem numa bomba de gasolina, onde sabe que a relação maquina/pessoa/manuseamento é do mais simples possível. Abri a tampa (tive sorte, hoje não me fez a vida difícil e não foi preciso pedir ao Sr. da Caixa que saísse para me abrir aquela treta como milhentas das outras vezes), saquei de uma luva de plástico e depois de comprovar e verificar e comprovar outra vez que era mesmo aquela, lá enchi o depósito com 15€, quase 17 litros (uhuh!festa!).
Nada de estranho até aqui, mas já sabem que comigo qualquer coisita simples, simples, insignificante até, pode tornar-se numa comédia. Depósito ok, tampa ok, era hora de deitar fora a luva. Ah, meus amigos e é aqui que a porca torce o rabo. Havia um pouco de ar...algum ventito, muitas correntes...pronto, um vendaval. E na mesma altura em que abri a porta giratória do lixo e atirei para lá a minha luva, sairam a minha e muitas outras mais que lá estavam dentro...e voaram, voaram, voaram. Foi digno de se ver, eu estupefacta, nem reagi e deixei a porta aberta e as luvas continuavam a sair e a sair...por toda a bomba de gasolina haviam luvas pelo ar, tal balões de ar quente, parecia a inauguração....fugi de lá o mais rápido possível...

3 comentários:

Coisa Boa disse...

Eu também fugiria...
Miga, sonhei que tinhas arranjado trabalhido por aqui!...e estavas toda feliz e saltitona como eu gosto de te ver!
Beijo

Anónimo disse...

Li isto alto para o Nuno se rir tanto qto eu ri.........e rimos os dois.....bastante, só de imaginar.

Q saudades em te ter por perto.

Bj,

Iolanda.

Coisa Boa disse...

então...novidades???
Não era hoje um dia D???