quinta-feira, 31 de março de 2011

Isto de estar em casa dá cabo de mim...e com tanto que há para fazer...mas o raio da energia e dor nas costas teiam em persistir!
Não posso passear muito, começam-me a doer as costas. Não posso descansar muito...doem-me as costas! Não posso fazer nenhum esforço de caracácá que canso-me como se tivesse corrido a maratona... já ando a tragar (mal) um raio de um xarope de beterraba para o meu ferro.
A juntar a tudo, os programas das manhãs e tardes dos canais portugueses deprimem-me. Como não somos o povo com maiores índices de depressão? Pudera...
Quero voltar ao trabalho...

quinta-feira, 24 de março de 2011

Hoje voltei a sentir

A sentir-me como sou. Já brinquei, já sorri e ri. Mesmo que não me esqueça. Mesmo que nunca me vá esquecer. Voltei a sorrir e rir. ..E voltei a cantar.

sexta-feira, 18 de março de 2011

A vida tem destas coisas

Prega-nos partidas...faz-nos crer que tudo está a correr na perfeição. Quando menos esperamos, deita-nos abaixo, vê até que ponto conseguimos resistir, superar, passar por cima. Não é fácil...ver as expectativas que se criaram, minhas, dele, de quem gosta ao nosso redor. Não foi fácil o processo, não é fácil o processo...e isto resume-se a uma pequena semana. Uma semana da nossa vida, que nos mudou o rumo. Mas só por agora.

Não sinto que a vida tenha sido má comigo, não penso "Porquê eu?" ou que entre tantas pessoas, tinha logo que me acontecer a mim. Não penso isso. Sou igualinha a todas as outras...nem mais, nem menos. Aconteceu...vamos tentar perceber bem o que aconteceu...

No meio de tanta dor, senti mais e mais e mais, o amor de tanta gente! Família e aqueles que não são de sangue mas de coração... E é um misto de sentimentos, por um lado, uma tristeza avassaladora, por outro uma alegria imensa saber que tanta e tanta gente se preocupa verdadeiramente. Obrigado a todos por isso.

E ele...sim, admiro-o. Consegue ter força, dar-me força, mostrar-me sempre que sou eu que escolho como me quero sentir. Tem sido a minha muleta e às vezes dou comigo a pensar...quem será a dele? Porque também tem esse direito...
A vida tem destas coisas...e prega-nos partidas. Agora ainda é uma fase de alguns temores, receios, medos, perguntas...num futuro, olharei para este passado como um pequeno precalço na nossa felicidade.