sexta-feira, 23 de março de 2012

Notícias da moda

"Na segunda-feira foi aprovada em Israel uma lei que tem como objectivo combater os distúrbios alimentares. De acordo com a nova lei, as modelos demasiado magras devem ser banidas dos anúncios publicitários e as revistas devem divulgar quando as imagens publicadas tiverem sido alteradas de modo a tornar os modelos mais magros.

Os manequins que pretendam trabalhar no mercado israelita devem apresentar um relatório médico, com menos de três meses, que, de acordo com os padrões da Organização de Mundial de Saúde ateste que afirmando que não estão desnutridas.

Os apoiantes da lei esperam que isto encoraje o uso de modelos saudáveis e aumente a consciência de que, na maior parte das vezes, são utilizados truques digitais para transformar uma mulher magra numa mulher ainda mais magra."

Quando vi a notícia fiquei surpreendida por um país que normalmente é falado pelo mundo por motivos bem diferentes, ser desta vez falado por uma iniciativa que louvo.
Cada vez mais temos as nossas adolescentes a serem regidas por um mundo de falsas aparências em que apenas quem é magra, tem boas roupas, é bonita e desejada pode singrar na vida. Temos concursos de modelos, programas de televisão com apresentadoras sempre em forma e atraentes, a competição é feroz. E elas crescem a achar que também têm que ser assim. Para alcançarem o sucesso têm obrigatoriamente que ser magras porque só assim vão poder criar a imagem que é aceite no mundo.
Tive um caso de anorexia bem perto de mim. De uma amiga linda de morrer, querida, carinhosa, preocupada com os outros e um coração "mole" e romântico. Magra q.b. e de fazer rodar a cabeça de qualquer rapaz. Quase todos os dias estávamos com ela e só quando a doença já ia avançada nos demos conta que algo não estava certo. Como é possível??Como não vimos que ela emagrecia a olhos vistos?? Perguntávamos. Não demos por nada, os próprios pais não deram por nada e ela agia normalmente connosco.Vestia roupas um pouco mais largas, comia... Foram 4 a 5 anos de Inferno para ela e para a família. Lembro-me quando já estava melhor que nem uma fatia de bolo de aniversário ainda queria comer. E já estava melhor...

Aplaudo esta lei. Aplaudo porque é um exemplo de por onde a moda Israelita quer seguir e que exemplo quer dar. Não quer miúdas escanzeladas, nem ossudas. Não quer que os sacríficios que façam se tornem na forma em como regem a vida. Não quer mortes por magreza extrema. Não quer que percam a auto-estima por acharem que nunca estão e são boas o suficiente para fazer parte daquele mundo.

Por tudo isto aplaudo esta lei e fico à espera que seja aplicada noutros mercados.

3 comentários:

Benedita disse...

Oxalá o resto do mundo ponha os olhos nesta atitude de Israel. De louvar, de facto.

Turista disse...

Olá querida Sevilhana, era fantástico se se aplicasse essa lei no mundo da moda, no geral Infelizmente ainda este ano, na semana da moda em Itália, baniram a passagem de modelos que era habitual fazerem com tamanhos XL, por acharem que descaracterizava a semana.
As tuas imagens são bem elucidativas do que é correcto e do que é errado!
passarem o Domingo. :)
Tens um desafio para ti, lá na Turista. Caso decidas aceitar, avisa-me quando o responderes, sim?
Beijinhos.

Coisas Boas disse...

Concordo!
Bj grande